Curitiba respirou carnaval neste domingo (19). Não foi só o samba que embalou a festa. Teve espaço também para o rock, na famosa Zombie Walk, uma das principais atrações do Carnaval de Curitiba.

A festa dos zumbis ficou suspensa por dois anos, por conta da pandemia de Covid-19. Este ano, com a retomada, animação não faltou. A concentração foi na Praça Osório, no fim da manhã. A caminhada seguiu até a Praça Santos Andrade. Em um palco montado em frente ao prédio histórico da Universidade Federal do Paraná (UFPR) bandas locais se apresentaram. Teve até uma performance de bailarinos com a música “Thriller”, de Michael Jackson.

De acordo com Ulisses Rodrigues, da produção do evento, mais de 20 mil pessoas passaram pelo centro de Curitiba para a Zombie Walk.

O que mais chamou a atenção de quem passou por lá foram as produções criativas e impecáveis. Tinha bruxa, múmia, zumbis, minotauro, espantalho. Uma festa que reuniu adultos e crianças.

Ana Paula Fransqueque foi no tradicional. Uma zumbi bem especial.

Lais do Amaral, de 10 anos, apostou na fantasia de extraterrestre. Fez sucesso.

O Rodrigo Rodrigues caprichou na fantasia em sua segunda participação na Zombie Walk. Estava de minotauro. Mal conseguia caminhar. A cada passo alguém parava para tirar uma foto.

A fada-madrinha Flaviane estava até distribuindo doces para as crianças. Uma produção de arrepiar.

Valesca do Carmo foi com a família. Todos fantasiados esperando a chuva passar.

Cecília e Nelson Lopes estavam com a filha Luiza de seis anos. Foram cedo para aproveitar a festa dos zumbis.

A Laure, enfermeira do Silent Hill, conseguiu até dar uma palavrinha com a reportagem. Tinha um gesso no rosto pra ficar com a fantasia bem realista.

E quem chegou sem maquiagem também entrou na dança. A Edna Teixeira deu um retoque na amiga enquanto estavam curtindo as bandas.

Os zumbis, monstros e seus semelhantes invadiram Curitiba. A torcida é para que o ano que vem eles possam voltar.

 

Ouça a matéria completa: