O Tribunal de Contas do Paraná participa de um grupo de trabalho nacional para fazer um diagnóstico das principais dificuldades enfrentadas na prestação dos serviços de transporte coletivo urbano por ônibus no Brasil.

O grupo de trabalho foi criado pela Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon). A prévia do diagnóstico foi apresentada nessa semana, com uma apresentação na sede do Tribunal de Contas de São Paulo (TCM-SP).

Um dos principais resultados apresentados é que a contínua perda de demanda de passageiros se agravou com o advento dos transportes por aplicativo, com o incentivo ao trabalho remoto, principalmente a partir de 2020.

De acordo com o Anuário da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), entre 1994 e 2012 a redução foi de 24,4%; de 2013 a 2019, de 26,1%; e de agosto de 2020 a julho de 2021, ficou estabilizada entre 35% e 40%, no Brasil.

O estudo também aponta que a venda de veículos do tipo ônibus urbano teve queda de 34,3% em 2020, em relação a 2019.

Nesse período, a quantidade de veículos comercializada foi praticamente a metade do volume vendido no período entre 2010 e 2014.

O Anuário aponta ainda que o transporte coletivo representa 28% dos deslocamentos no Brasil, sendo 85,7% das viagens realizadas por ônibus.

Além disso, 27,1% das viagens por ônibus possuem gratuidades e descontos nas tarifas e os empregos diretos no setor alcançam aproximadamente 326 mil trabalhadores, em 1.765 empresas.

O documento final deverá ser apresentado à Presidência da Atricon no prazo de 120 dias.