Enfermeiros e técnicos de enfermagem que trabalham no Hospital da Polícia Militar do Paraná fizeram um protesto nesta quinta-feira (27), em frente ao prédio da Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp), cobrando progressão de salários. A categoria diz que ficou fora do reenquadramento feito pelo governo do estado.

A enfermeira Maria Cristina Zanardi, conta que ela e os colegas foram surpreendidos com a publicação de uma resolução que cancela todas as promoções e progressões dos servidores de enfermagem do Hospital Militar. Segundo ela, isso motivou uma revolta na categoria, que decidiu protestar em frente ao prédio da Secretaria Estadual de Segurança Pública.

A manifestação durou cerca de uma hora e chegou a bloquear parcialmente o trânsito na Rua Coronel Dulcídio, no Batel. O grupo levou cartazes com informações sobre os motivos do descontentamento. Sem uma resposta para os pedidos, Cristina avisou que um novo protesto está sendo organizado.

Por meio de nota o governo informou que a lei estadual 20.431, de 2020, autorizou o pagamento de promoções e progressões para apenas algumas categorias de servidores públicos, principalmente os que estavam na linha de frente do combate ao coronavírus.

Os servidores do Hospital da Polícia Militar, que trabalham diretamente com a saúde, receberam os benefícios.

No entanto, foi identificado um erro formal no processo de pagamento e eles foram suspensos. O Estado estuda formas de regularizar essa situação. Nenhum pagamento realizado precisará ser devolvido.