Segue foragido um dos acusados de passar o golpe do bilhete premiado nesta semana, em um idoso de Curitiba. Outro suspeito foi preso em flagrante na quarta-feira (19), quando a vítima iria transferir mais R$ 150 mil para os golpistas.

De acordo com informações da Polícia Civil, o idoso foi abordado na segunda-feira (17) por dois homens. O suposto bilhete seria de R$ 3 milhões. Eles alegaram que não poderiam receber a quantia pela loteria porque a religião não permitia. Como condição de troca sugeriram que o idoso pagasse R$ 500 mil para a dupla. A vítima já tinha depositado R$ 350 mil. A polícia só foi acionada após o banco suspeitar dos pedidos de transações.

O golpe é antigo, considerado como conto do vigário para o especialista em segurança da informação, Guilherme Guimarães. O alerta é para que não sejam feitas transferências bancárias em casos de promessas de grandes prêmios e, principalmente, que tais situações gerem sempre desconfiança.

Mas, caso já tenha sido vítima, a orientação é registrar um boletim de ocorrência.

Quatro a cinco denúncias são registradas por semana na Polícia Civil do Paraná por vítimas do golpe do bilhete premiado. A grande maioria é de idosos.