O secretário de Saúde do Paraná informou com exclusividade à rádio CBN Curitiba no início da manhã desta quinta-feira (10) que a 4º dose da vacina contra a Covid-19 está liberada oficialmente para todo o público adulto, a partir de 18 anos. Beto Preto disse, no entanto, que a organização da aplicação fica a critério de cada município, levando em consideração doses disponíveis de imunizante.

A R2 ou quarta dose era até então recomendada pelo Ministério da Saúde para pessoas a partir de 40 anos, mas prefeituras de algumas cidades já estavam estimulando a vacinação de público mais jovem.

Em Curitiba, a prefeitura já havia informado que seguia as orientações do governo federal e só poderia ampliar da 4ª dose para outras faixas apenas depois de orientação e envio de mais lotes de imunizante. Sobre essa nova decisão, na capital, a CBN aguarda retorno do município.

O secretario de Saúde do Paraná contou à CBN Curitiba que a deliberação é feita após reunião com o Ministério da Saúde, que aconteceu nesta quarta-feira (9) em Brasília. Na sequência, a orientação foi repassada às cidades paranaenses em reunião do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Paraná – COSEMS/PR .

A nova medida acontece logo após o surgimento de nova variante do vírus que causa a Covid-19. A primeira morte pela cepa BQ1.1 no Brasil ocorreu na última terça-feira em São Paulo. Na capital paranaense, a nova variante já circula, confirmou a prefeitura.

Beto Preto pondera que a nova cepa é mais transmissível, mas ainda são feitas análises quanto à sua agressividade, letalidade.

No Paraná a preocupação também é com o esquema vacinal incompleto da população.

O Estado registrou uma redução de 95% no número de vacinas aplicadas contra a Covid-19 no intervalo de um ano. Em outubro de 2021, ainda na esteira da grande procura pelo imunizante, foram registradas 2.479.269 doses e em outubro deste ano, apenas 121.779.

O índice de positividade para Covid-19 quadriplicou no Brasil nas últimas semanas e a região Sul aparece com um aumento de 5% nos casos confirmados para coronavírus. Isso fez com que as vendas de testes nas farmácias aumentassem.

Um levantamento realizado pela Dasa, maior rede de saúde integrada do Brasil, identificou um novo aumento nos índices nos resultados positivos para Covid-19 nas mais de 980 unidades do país.
De acordo com o Boletim Covid-19 da Sesa, em 8 de novembro, a média móvel de casos registra acréscimo de 49,5% em relação a duas semanas.