Médicos que atuam no Brasil, Estados Unidos e Chile comandam uma maratona de cirurgias de alta complexidade, transmitidas ao vivo.

É o “Robô 24 Horas, maior evento de cirurgia robótica do mundo que estão sendo transmitidas para todo o mundo via sistema sediado em Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba, que começou nesta sexta-feira (21) e segue até sábado (22).

Vinte e quatro horas de transmissões de cirurgias robóticas, técnica onde as operações são feitas por meio de aparelhos de última geração, em seis especialidades. Esses são alguns dos destaques do “Robô 24 Horas”, o maior evento ao vivo de cirurgia robótica do mundo.

O cirurgião oncológico Reitan Ribeiro, fala sobre a troca de experiências entre profissionais de várias nacionalidades.

Uma das grandes vantagens do uso de robôs é que os procedimentos se tornam menos invasivos e mais precisos, com menor tempo de intervenção. Todas as manobras exigem treinamento do médico cirurgião, que opera os dispositivos eletrônicos, conforme as normas estabelecidas pelo Conselho Federal de Medicina.

Segundo Reitan, praticamente todas as cirurgias podem ser feitas hoje com o uso da tecnologia. E o Brasil se destaca nessa área.

A chegada da quinta geração da internet, a tecnologia 5G, deve movimentar esse mercado.

O Conselho Federal de Medicina regulamentou a prática neste ano e entre as normas estabelecidas, prevê que a cirurgia robótica deve ser realizada em um hospital capacitado para atender alta complexidade, com no mínimo, dois cirurgiões: um operando remotamente e outro ao lado do paciente, além do restante da equipe, como anestesista e enfermeiros, para dar segurança em caso de falha do equipamento.