No dia 24 de fevereiro de 1932, o então presidente Getúlio Vargas instituiu o Código Eleitoral, assegurou o direito do voto a todas as mulheres brasileiras. De lá para cá muitas outras conquistas femininas foram alcançadas na esfera política.

A historiadora e coordenadora do curso de Pós-Graduação em Direitos Humanos e Políticas Públicas da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Maria Cecília Pilla, explicou que Getúlio Vargas percebeu a importância do apoio feminino nas eleições.

Maria Cecília Pilla afirmou explicou que quem tem poder não cede voluntariamente, e por isso é preciso que as mulheres continuem lutando para conquistar seus direitos.

Atualmente, em todo o país, as mulheres representam mais de 50% do eleitorado, o que corresponde a cerca de 82 milhões de votantes. No Paraná, a partir deste ano, as mulheres integram a maior bancada feminina da história Assembleia Legislativa do Estado (Alep), com 10 mulheres exercendo seus mandatos parlamentares. Até 2022 eram cinco representantes no legislativo estadual, o que significa um aumento de 100% na representatividade feminina.

Contudo, diante do total de 54 vagas, a bancada composta por mulheres representa apenas 18,5% dos parlamentares eleitos. Já na Câmara Municipal de Curitiba essa proporção é um pouco maior, pois das 38 cadeiras, 8 foram conquistadas por mulheres nas últimas eleições municipais, o que corresponde a pouco mais de 21% do total de parlamentares da Casa.

A vereadora Amália Tortato (Novo) falou sobre a data e afirmou que as mulheres têm ocupado seu espaço na política.

Indiara Barbosa (Novo), vereadora mais votada nas últimas eleições municipais, destacou que ainda há muito espaço para as mulheres nessa esfera.

Um faz últimas conquistas das mulheres aconteceu em 2021 quando foi criada uma lei para prevenir, reprimir e combater a violência política contra a mulher ao longo das eleições e durante o exercício de direitos políticos e de funções públicas.