A 27ª Edição da Pesquisa CNT de Rodovias começa a coleta de dados por Curitiba. No total, as equipes percorrerão uma extensão de 6.444 quilômetros de rodovias em todas as regiões do Paraná. Em todo o Brasil serão 112.500 quilômetros avaliados, um acréscimo de mais de 998 quilômetros em relação ao levantamento realizado em 2023.

Para este ano, os carros utilizados pelas equipes vão estar equipados com câmeras que farão a gravação de 100% da pesquisa. Os vídeos coletados vão ajudar na identificação, classificação e qualificação automática das placas de sinalização viária pelo modelo de reconhecimento automático, um dispositivo desenvolvido pela Confederação Nacional do Transporte – CNT com a ajuda da Inteligência Artificial.

Segundo o presidente do Sistema FETRANSPAR, Coronel Sérgio Malucelli, essa é a principal sondagem brasileira sobre estradas e visa classificar as rodovias, considerando as situações viárias por tipo de gestão (pública ou concedida), por Estado e regiões geográficas, por corredores rodoviários e por tipos de rodovias (federais ou estaduais).

A pesquisa abrange 100% da malha federal pavimentada, principais trechos estaduais pavimentados e todas as estradas que estão sob concessão da iniciativa privada.

No ano passado a Pesquisa CNT de Rodovias trouxe alguns dados sobre a malha viária paranaense. Em relação aos acidentes, por exemplo, foram identificados 7.805 em estradas federais, nos quais 560 pessoas perderam a vida. Os custos estimados dos acidentes – 2023 em rodovias federais no Paraná foi de 343,8 milhões. A malha apresentou 36 pontos críticos e a estimativa de investimentos em ações emergenciais girou na casa dos R$5,45 bilhões.

*Com informações da Fetranspar