A vítima morava em Maripá, na região oeste do estado, e tinha 73 anos. Segundo informações da Secretaria de Saúde do Paraná (Sesa), a idosa tinha comorbidades, era diabética e hipertensa. A morte foi registrada em 14 de agosto, mas só foi confirmada nesta semana.

De acordo com o Boletim Epidemiológico da dengue, desde o último informe divulgado na semana passada, houve 529 casos confirmados da doença no estado. Em relação ao último informe foram mais 141 confirmações, o que representa alta de 36%.

Ao todo, o Paraná já contabiliza mais de 5.200 notificações de dengue, sendo 14 casos severos da doença.

Foram registrados 435 casos autóctones, que significa que a pessoa contraiu a doença na cidade onde mora. Também foram confirmados dois casos importados da doença, nessa situação a pessoa foi contaminada durante viagem para outra cidade e voltou com dengue.

Conforme o Boletim Epidemiológico, até o momento não houve registro de casos de zyka ou febre chikungunya no Paraná.

Até o momento não houve registro de casos de zyka ou febre chikungunya no Paraná.

Os principais sintomas da dengue são: febre alta (acima de 38.5ºC), dores musculares intensas, dor ao movimentar os olhos, mal-estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas no corpo. Outros sintomas mais graves, como dor abdominal intensa, vômito persistente, tontura, diminuição do volume urinário e muito cansaço também podem ocorrer. Os sintomas costumam aparecer entre três a quinze dias após a picada do mosquito infectado.

Os sintomas da dengue são parecidos com o de uma gripe, pois ambos apresentam entre os possíveis sinais febre, dores de cabeça e no corpo, cansaço e mal-estar. Porém, a dengue não apresenta sintomas respiratórios como coriza, nariz entupido ou tosse. O paciente deve procurar atendimento médico assim que os sintomas aparecerem.

As autoridades de saúde lembram que a população também pode ajudar a combater a proliferação de criadouros, tanto em casa quanto no local de trabalho ou de estudo, ao dar a correta destinação ao lixo. Além de eliminar recipientes que possam acumular água.

Os moradores de Curitiba podem solicitar pela Central 156, seja por telefone, site ou aplicativo, fiscalização em locais com possíveis focos do mosquito.

Com informações da assessoria