A Prefeitura de Curitiba anunciou a compra de 70 ônibus elétricos para a Rede Integrada de Transporte de Curitiba (RIT). São R$ 200 milhões em investimentos que fazem parte do projeto de implantação da eletromobilidade em larga escala na cidade.
A previsão é de que os ônibus elétricos entrem em operação na rede em 2024. Serão definidas mudanças para o suporte desses veículos. O anúncio foi feito nesta quinta (11) com a apresentação dos ônibus.
O presidente da URBS, Ogeny Pedro Maia Neto, detalha que o projeto deve ter início no Inter 2 e também o corredor Leste-Oeste.

 

Do total de veículos a serem adquiridos, 28 serão articulados, para atender à linha Interbairros II, e 42 modelos Padron.
O modelo de funcionamento dos ônibus ainda não foi definido. A cidade avalia três diferentes modelos de negócio de eletromobilidade: contratação única para veículos, energia, operação e manutenção; de dois componentes, com um contrato para veículos e energia e outro para a manutenção e operação; e um terceiro modelo com três componentes, sendo separados os contratos de fornecimento de veículos, infraestrutura de energia e outro para a operação e manutenção.

 

Não haverão custos imediatos para a tarifa técnica. Segundo ele, esses ônibus têm um custo maior na aquisição, mas a longo prazo são mais econômicos. Nesse ano a tarifa das passagens foi ajustada para R$ 6,00.

 

O prefeito Rafael Greca confirmou que o valor pode ser mantido para o ano que vem.

 

Os fabricantes devem ser definidos com base nos testes em curso na cidade, que envolvem as empresas Volvo, Mercedes, Eletra, Marcopolo, BYD e Higer.
No mès passado, teve início os primeiros testes técnicos com um ônibus elétrico da chinesa BYD no transporte coletivo. O modelo articulado está circulando, sem passageiros, pelas rotas das linhas Interbairros II, Inter 2 e no Eixo Leste/Oeste.
O modelo articulado circula sem passageiros, pelas rotas das linhas Interbairros II, Inter 2 e no Eixo Leste/Oeste. O teste terá duração de 30 dias, podendo ser prorrogado por um período de até 30 dias
No médio prazo, até 2030, 33% da frota de ônibus de Curitiba deverá operar com emissão zero; alcançando 100% até 2050, como parte do Plano de Ação Climática (PlanClima), alinhado às ações globais de sustentabilidade.

Por: Vinicius Bonato