Em ação inédita na democracia brasileira, as forças armadas vão participar de um processo de fiscalização e conferência dos boletins de urna no dia das eleições. Profissionais do exército devem ser escalados para tirar fotos dos QR Codes emitidos após o encerramento da votação.

O presidente do Tribunal Regional eleitoral do Paraná, desembargador Wellington Coimbra, afirmou que o Tribunal Superior Eleitoral tem total transparência do processo e não vê problemas nesta fiscalização.

Cerca de 350 urnas devem ser fiscalizadas pelos militares.