Muitas pessoas desconhecem como funciona o processo legal de adoção e também a entrega voluntária de uma criança para adoção. Esses procedimentos, previstos em lei, estão à disposição da população, segundo o Ministério Público do Paraná (MPPR).

Quem tem interesse em adotar criança ou adolescente precisa comparecer à Vara da Infância e Juventude da sua cidade para se cadastrar e assim se habilitar para esse processo.

O promotor de Justiça do Ministério Público do Paraná, Francisco Zanicotti, explica como os futuros pais devem proceder.

Francisco Zanicotti afirma que, apesar de rápido, esses trâmites são necessários para garantir a segurança do processo de adoção.

Outra questão que causa dúvidas em muitas mulheres, uma possibilidade que muitas mães desconhecem, é a entrega de bebês para adoção. De acordo com o Ministério Público, não é crime entregar voluntariamente uma criança para adoção, já o abandono é crime.

O promotor de Justiça do Ministério Público do Paraná, comenta o que dever ser feito assim que se toma a decisão de entregar uma criança para adoção.

Toda pessoa com mais de 18 anos de idade, seja ela casada, solteira ou em união estável, pode adotar uma criança ou um adolescente. O adotante deve ser pelo menos 16 anos mais velho que a criança ou o adolescente que pretende adotar.

Podem ser adotadas crianças e adolescentes com idade até 18 anos, cujos pais são falecidos ou concordaram com a adoção e que tiverem sido destituídos do poder familiar.