Dezenas de manifestantes contrários ao projeto de lei que prevê a diminuição da participação do Governo do Estado na Companhia Paranaense de Energia (Copel) comparecem ao plenário da Assembleia Legislativa do Estado na manhã desta quinta-feira (24), onde as sessões que debatem o texto começaram por volta das 8h.

A Comissão de Constituição e Justiça apresentou parecer favorável a todas as cinco emendas propostas por deputados da base e de oposição ao governo Ratinho Júnior (PSD). Uma delas prevê que o governo continue com a maior parte das ações, sem deixar de ser o sócio majoritário da companhia. A emenda é de sugestão do deputado Arilson Chiorato (PT), líder da oposição.

O deputado criticou as tramitações anteriores do projeto nas comissões e é contra o projeto da maneira como foi proposto pelo governo.

O chefe da Casa Civil do governo Ratinho Júnior, deputado estadual Guto Silva (PP), afirma que o projeto é de grande importância para a companhia, e se configura a um novo modelo de negócio implementado em vários estados do Brasil.

Na Assembleia, funcionários da empresa acompanham preocupados ao trâmite do projeto de lei. Muitos acreditam que a privatização acarretará um processo de precarização do serviço e o desrespeito da legislação trabalhista.

O presidente do Sindicato dos Engenheiros do Estado do Paraná, Leandro José Grassmann, diz que a privatização pode ser prejudicial para a categoria e até para o consumidor.

Por: Bruno de Oliveira