A chegada do calor, juntamente com o hábito de armazenar água, estão sendo apontados como alguns dos motivos para o aumento do número de focos do mosquito da dengue no Paraná. Para evitar que isso aconteça, é bom prestar atenção à forma adequada de cuidar dos reservatórios e evitar possíveis criadouros.

O último boletim semanal divulgado pela Secretaria da Saúde revelou que o Paraná registrou 75 novos casos de dengue. A doença já atinge 1.291 confirmações em 171 municípios do estado, totalizando 15.198 notificações e 3.599 casos em investigação.

Duas mortes foram confirmadas neste período de monitoramento da estação. Motivos mais do que suficientes para reforçar os cuidados que evitam a proliferação do mosquito Aedes Aegypti, que transmite além da dengue, Zica e Chikungunya. Alysson Nunes Diógenes, professor com mestrado e doutorado em Gestão Ambiental, fala sobre as características do inseto, que é muito resistente.

 

As temperaturas mais quentes, com chuvas ocasionais, oferecem as condições ideias para a reprodução. Por isso a importância de revisar possíveis lugares e objetos que sirvam de criadouro.

 

O hábito de recolher água da chuva em reservatórios, pode ser mantido, desde que obedeça alguns critérios.

 

Até o final de outubro os agentes da prefeitura de Curitiba identificaram 1.125 focos do mosquito na capital paranaense, número três vezes maior que os 368 criadouros registrados no mesmo período do ano passado.