O novo decreto da prefeitura de Curitiba vai permitir uma espécie de normalização da rotina pelos próximos 15 dias, pelo menos para o setor de gastronomia. As novas medidas, publicadas nesta quinta-feira (4), reduzem ao mínimo as restrições de circulação, mantendo a obrigatoriedade do uso da máscara na cidade. A Prefeitura de Curitiba diz que o período será como um teste.

Proprietários de bares e restaurantes estão otimistas, principalmente com o retorno mais expressivo dos eventos. É o caso de Beto Madalosso, proprietário de restaurantes em Curitiba. Ele conta que já sentiu um aumento principalmente nas reservas.

Gustavo Andrade, que é gerente-geral de um bar aqui da capital lembra que a pandemia e as medidas restritivas afetaram diretamente o setor. Reinvenção e fortalecimento são palavras-chave para o momento, além de otimismo, é claro.

Já o presidente da Associação Brasileira de Empresas de Eventos, Fabio Skraba, observa que o novo decreto trará uma “sobrevida” ao setor de eventos e uma retomada mais efetivo para o início do ano que vem.

Ele destaca que há também uma expectativa sobre a movimentação para este fim de ano, com a programação de Natal na cidade, o que deve incrementar também o setor de turismo.

A nova medida da Prefeitura chega após 121 dias de bandeira amarela, a mais branda entre os três níveis de alerta da cidade, e vale até 18 de novembro.

O uso da máscara segue obrigatório em espaços de uso público ou de uso coletivo. A única restrição mantida, é quanto ao consumo de bebida alcoólica em vias públicas. No entanto, é permitido o consumo de bebidas alcoólicas em feiras livres e de artesanato.

Pelo novo decreto, eventos esportivos profissionais como jogos de futebol, apresentações teatrais e shows ao ar livre que antes funcionavam com restrições entre 50% e 70%, estão autorizados a funcionar no limite de capacidade de público prevista em seus Certificados de Licenciamento do Corpo de Bombeiros (CLCB), com a obrigatoriedade da máscara facial.

A liberação para 100% de público, de acordo com a capacidade do estabelecimento, segundo o novo decreto, se estende as atividades comerciais e serviços, eventos esportivos com público externo e apresentações teatrais e musicais em espaços abertos, igrejas e templos, hotéis e pousadas, casas de shows e casas noturnas, casas de festas e de recepções, academias de ginástica e espaços para a prática esportiva, feiras livres, parques infantis, restaurantes e outros comércios de alimentação entre outros.