O conserto dos ferry boats e atracadouros para a travessia da baía de Guaratuba, no litoral paranaense, deve durar, pelo menos, quatro meses a mais do que o previsto inicialmente pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR).

O prazo inicial para a conclusão de todos os consertos foi encerrado na segunda-feira (9), mas a pasta fez um novo aditivo de contrato que “estica” esse prazo em mais 120 dias. O aditivo foi publicado no Diário Oficial do Estado.

Com o aditivo, também houve o reajuste dos custos dos consertos. No contrato, assinado em março deste ano, o custo estava estimado em cerca de R$ 36 milhões, mas o DER-PR fará mais um aporte de cerca de R$ 6 milhões.

O termo aditivo diz ainda que, além dos consertos estimados anteriormente, podem ser incluídos novos consertos por parte da Internacional Marítima, empresa que administra o ferry boat de Guaratuba, de forma emergencial.

Em entrevista recente à CBN Curitiba, o diretor-geral do DER-PR, Alexandre Castro Fernandes, afirmou que as embarcações e atracadouros nunca tiveram a manutenção necessária para operação.

Na quarta-feira (10), o DER-PR fez um novo contrato emergencial para a operação do ferry boat de Guaratuba pela Internacional Marítima. O novo contrato terá a vigência de 12 meses.

Conforme o DER-PR, a medida visa garantir a operação do ferry boat sem interrupções e sem prejuízos aos usuários da travessia, uma vez que ela é a única opção de deslocamento entre Guaratuba e demais municípios do Litoral.