Uma semana após o incêndio que atingiu um pavilhão com 40 boxes e 2 mil metros quadrados na Ceasa de Curitiba, as equipes trabalham na limpeza do material orgânico que ficou no local. A Polícia Civil realiza a investigação sobre o que pode ter causado o incidente e a administração do espaço faz o levantamento do total de prejuízo.

Paulo Ricardo da Nova, diretor agro comercial da Ceasa Paraná explica que é aguardado um laudo pericial para saber se boa parte da estrutura poderá ser reaproveitada na reconstrução.

Foram impactados, 20 dos 423 comerciantes que atuam na Ceasa Curitiba. Os permissionários foram movidos para boxes provisórios para que pudessem continuar com o trabalho no local. A expectativa é de que nos próximos dias exista uma estimativa de custos para as obras de reforma, que serão custeadas com recursos do tesouro estadual.

A previsão é de que o pavilhão destruído esteja novamente em funcionamento até dezembro deste ano. O Tribunal de Contas Estadual (TCE) do Paraná está acompanhando os trâmites para a realização de contratos de limpeza e reconstrução do espaço, para ser garantida a lisura do processo.

A CBN Curitiba procurou a Polícia Civil para saber sobre o andamento das investigações e aguarda um retorno.