A Câmara Municipal vai criar uma comissão para discutir a licitação do transporte coletivo.

O assunto foi discutido por membros da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania com o objetivo de estudar as propostas de viabilização de uma tarifa zero no transporte coletivo de Curitiba.

Segundo o vereador Herivelto Oliveira (Cidadania), se a forma de cobrança atual se mantiver, o uso dos ônibus ficará inviável para uma parcela da população dentro de alguns anos.

O parlamentar sugere que o grupo seja constituído por oito parlamentares, tenha duração de 120 dias e estude as propostas de tornar o projeto viável.

A discussão também leva em consideração que o atual contrato com as concessionárias vai findar em 2025, logo o ano de 2024 será de intenso debate sobre o processo licitatório, sobre o qual há uma porção de questionamentos, não só em relação a subsídios, mas ao custo do transporte.

Ainda de acordo com o vereador, a nova proposta funcionaria com o auxilio da iniciativa privada.

Com o aval da CCJ, a criação da comissão especial pode ser submetida ao plenário, dependendo da maioria absoluta dos votos para ser validada.

No dia 1° de março desse ano, a tarifa de ônibus de Curitiba vai aumentou para R$ 6,00, aumento de 50 centavos em relação a tarifa atual.

De acordo com a URBS, além do diesel, a conta também considera gastos com lubrificantes, salário dos motoristas e dos cobradores e os impostos trabalhistas, além de peças, manutenção da frota, limpeza dos ônibus, das estações-tubo e dos terminais e renovação da frota.

De acordo com a URBS, a tarifa é reajustada no fim de fevereiro de cada ano, a exceção foram os anos da pandemia (2020 e 2021), em que a tarifa ficou congelada. Em 2022, o reajuste havia sido de 22%.

Por: Vinicius Bonato