O dispositivo de emergência para mulheres vítimas de violência doméstica está disponível para mais de 2 mil paranaenses que contam com medidas protetivas expedidas pelo Poder Judiciário.

O acionamento do Botão do Pânico, pelo aplicativo 190, pode ser feito de qualquer comarca do Paraná, independentemente da cidade que forneceu o aparelho.

A Capitã Carolina Ferraz Zancan, membro da Câmara Técnica da Patrulha Maria da Penha da Polícia Militar do Paraná, explicou como as mulheres, que se encontram em situação de violência doméstica, devem proceder para solicitar o Botão do Pânico.

O acionamento do dispositivo é feito pela mulher e a ocorrência entra diretamente nas centrais de atendimento da Polícia Militar.

A Capitã Carolina Ferraz Zancan também falou como funciona a concessão do dispositivo, que é feito pelo Poder Judiciário.

A ferramenta se soma a outros mecanismos de proteção e acolhimento destinados às mulheres vítimas de violência, como as 21 Delegacias Especializadas da Polícia Civil do Paraná (PCPR) no atendimento a mulheres. A Patrulha Maria da Penha, da Polícia Militar, está em fase de implantação em todos os batalhões do Estado.

Segundo a Capitã, não há limite para a concessão dos aparelhos, que são liberados após a análise de cada caso.

 

Até maio deste ano, todo o efetivo da Polícia Militar estará capacitado para prestar o atendimento especializado às vítimas de violência doméstica.

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]