A BR-277 vem sofrendo com a sua deterioração desde o fim do contrato de pedágio, quando a concessionária deixou de operar em 2021. Com isso, a estrada passou a ser de responsabilidade do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Sem recursos, obras emergenciais vem sendo feitas a passos lentos e por isso parte da bancada de deputados estaduais e federais, além de senadores, se reuniu com o ministro Renan Filho do Ministério dos Transportes para solicitar verbas e celeridade nos processos que envolvem as rodovias paranaenses.

De acordo com o deputado Arilson Chioratto (PT), que esteve na reunião na última quarta (8), foram garantidos mais de R$400 milhões para que o DNIT atue nas estradas sem concessão, principalmente na BR-277.

O senador Sergio Moro (União Brasil), também esteve no encontro e pontuou que a cobrança feita em cima do ministro foi para resolver a situação, que segundo ele, é “dramática”, mas que os recursos não são uma solução final.

A reportagem procurou o DNIT, mas o órgão não respondeu se já estava com os recursos em conta e quando iria começar a utilizar eles para a recuperação da BR-277. Agora, a rodovia conta com dois problemas estruturais, a obra emergencial no KM 42, onde houve um desmoronamento em novembro, o outro é no KM 33, no afundamento da pista, que ainda não tem uma solução divulgada pelas autoridades e um desvio operacional foi feito para liberar o tráfego.