De acordo com dados do vacinômetro do Ministério da Saúde, o estado imunizou apenas 11% das 310 mil crianças que têm entre 3 e 4 anos, o que corresponde a pouco mais de 34.300 mil doses aplicadas nessa faixa etária. Ainda conforme o vacinômetro, quase 34.150 crianças receberam a 1ª dose do imunizante da Coronavac e apenas 145 tomaram a 2ª dose.

O levantamento aponta que nesse primeiro mês de liberação da vacinação para esse público infantil a adesão foi baixa, já que ainda falta vacinar 89%, o que equivale a mais de 275 mil crianças entre 3 e 4 anos que ainda não compareceram aos postos de saúde.

Em Curitiba, segundo dados do Painel Covid da prefeitura, mais de 9.450 crianças dessa faixa etária já receberam a 1ª dose da vacina e apenas 7 tomaram a 2ª dose. A vacinação desse grupo começou com as crianças imunossumprimidas em 22 de julho. Já as demais crianças foram convocadas de forma escalonada divididas por meses de nascimento desde o dia 25 de julho.

Conforme a Secretaria de Saúde de Curitiba, cerca de 44,5 mil crianças de 3 e 4 anos devem ser imunizadas com a Coronavac, recomendada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pelo Ministério da Saúde. A imunização é feita em duas doses, com intervalo de 28 dias entre as aplicações.

Diante da baixa adesão, não só da vacinação contra a Covid-19, mas também contra outras doenças, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) realiza no próximo sábado (20) o terceiro Dia D de imunização em um menos de dois meses. A ação tem o objetivo de incentivar e alertar as pessoas para a imunização de diversas doenças.

Para o Dia D de Multivacinação, 19 unidades de saúde ficarão abertas das 9h às 17h. Crianças, adolescentes, adultos e idosos terão mais uma oportunidade para colocar a carteira vacinal em dia.

O diretor do Centro de Epidemiologia da Secretaria de Saúde de Curitiba, Alcides Oliveira, falou sobre a importância da campanha de vacinação para todos as pessoas e enfatizou que as coberturas vacinais precisam avançar.

Alcides oliveira explicou que o programa de vacinação brasileiro existe há décadas e já preveniu a disseminação de muitas doenças.

Outro orientação é sobre a possibilidade de receber no mesmo dia mais de uma vacina que estiver pendente, inclusive a vacina anticovid.